terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Tudo novo de novo

Percebo que algumas pessoas, ao se depararem insatisfeitas neste fim de ano, acabam negando qualquer possibilidade de mudança. A inércia diante do revigorar-se está estampada no negativismo de ações, na falta de amor próprio, no lamentar-se e vitimizar-se diante de um mundo que, na limitada visão dos que sofrem por sofrer, está dia-a-dia empenhado em conspirar contra, em fazer de tudo para que nada dê certo.
Sinto pena dos que assim irão começar um novo ano, sem sonhos ou perspectivas, sem agradecimentos e o reconhecimento de que o que somos, o que queremos e o que conquistamos dependem do que cada um carrega dentro de si. Amor (ao próximo e a si mesmo!), compreensão, amizade, paciência, reponsabilidade, bom senso e bom humor (indispensáveis!), paixão (pela vida, por um amor, pelo trabalho), racionalidade, compaixão e individualidade. Cito a individualidade porque, se carregarmos tudo isso e não trouxermos nossa individualidade junto, acabamos por nos perder pelo caminho, sem saber ao certo quem somos, de nada adiantando tantos sentimentos bons para com os outros se esquecermos de nós mesmos.
Ame-se, revigore-se, reinvente-se. As possibilidades estão todas aí. Um novo ano recomeça e a sensação de que tudo pode ser diferente é o primeiro passo para que você possa buscar quem você realmente é.
Ótimas festas a todos, um natal e um ano novo iluminado!
Até o ano que vem!

Um comentário:

Silvestre Gavinha disse...

Claudinha Krida,

Pensando deste jeito e vivendo segundo esta maneira só posso desejar-te alem de um Feliz Natal, um Ano Novo repleto de muito de tudo isso.
Que você continue a ser essa pessoinha linda com essa cabecinha privilegiada que tens a tão pouca idade.
Que continuemos trocando e que eu possa encantar-te e inspirar-te, tanto quanto tu a mim.
Se não te disse, mas acho que sim, tens a idade de meu filho e a cabeça melhor que a mãe dele. Para mim, isso é lindo.
Super festas, para ti e os teus queridos.
Beijo enorme