sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Pesadelos

Uma noite que não finda
Em sonhos o desespero
O choro seco
A agonia em querer gritar
E não conseguir
Acorda
Procura na cama
Com mãos cegas a tatear
Encontra-o
Ressonando um sono cansado
Suspira aliviada
Ainda não amanheceu
Pode dormir mais um pouco.

Um comentário:

Silvestre Gavinha disse...

PUXA!!!!!

Ps. e a palavra para confirmar a postagem ainda é:


stormenc