quinta-feira, 11 de julho de 2013

Tempo

O tempo que levamos para lembrar é infinitamente menor que o tempo que levamos para esquecer. O tempo que se arrasta na rotina é cruelmente inverso ao tempo que nos engole nos fins de semana de sol. O tempo que nos preocupamos com bobagens é ridiculamente maior que o tempo que ocupamos com nós mesmos. O tempo, o vento, o mesmo do mesmo. Vai tempo e voe.