quarta-feira, 13 de maio de 2009

Simpatia

Simpatia em excesso me assusta. Ultimamente há pessoas que insistem em sorrir, até mesmo em velório. E é aquele sorriso forçado, de quem tenta ser educado, mas só consegue ser inconveniente. E o beijinho no rosto? Brasileiro adora isso, mas perde a noção. É beijinho em todo mundo, independente do lugar e da pessoa, bem como do grau de intimidade. Beijinho prá mim é em pai e mãe, irmão, marido, namorado e amigo que você conhece há pelo menos mais de um ano (aqui estou sendo mais flexível, mas confesso que só gosto mesmo de distribuir pros mais chegados, aqueles que contamos nos dedos). Beijinho em quem não conhecemos ou não nos sentimos próximos é como fofoca: inconveniente e deselegante.
Aos beijoqueiros de plantão, aí vai: estenda a mão, dê um sorriso (verdadeiro) e está tudo muito bem. A pessoa entendeu o seu recado.

3 comentários:

Lado Avesso disse...

Concordo em gênero, numero e grau. Gostei daqui.

bípede falante disse...

Claudinha, a mim também. Você conhece algum vigarista que não seja simpático? Eu não!

bípede falante disse...

Claudinha, o que está acontecendo? Nem você, nem a Marie escrevem mais. Volte. Vamos lá! Mãos no teclado, please.