quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Oi tudo bem?


Quantas vezes ao ser interpelado no início de uma conversa com um "oi tudo bem?" você realmente respondeu o que se passava? Espero que não muitas, ou pelo menos que tenha sido com as pessoas que realmente perguntaram porque queriam realmente saber a verdade. São poucas as criaturas que respondem com sinceridade, assim como invariavelmente são poucas as que realmente querem saber como você está. Acontece que a sintonia nem sempre é perfeita. Às vezes foi por mera educação e de repente você se vê na condição de analista ou ouvido de pinico, escutando todas as desgraças mais cabeludas que alguém pode ter pra contar. Ou, o que é mais incomum, você quer saber, está interessado, estava morrendo de vontade de conversar e o seu interlocutor, com uma polidez que beira a uma chatice retórica só solta um "bem e você?", passando a responsabilidade adiante. O que me irrita, e às vezes até preocupa, é a sintonia que acima mencionei. O problema não é falar ou não, ser somente educado ou verbalizar um monte de problemas. O que me incomoda é a falta de noção, às vezes até de sensibilidade, quando as pessoas interagem (ou tentam).É o colocar-se no lugar do outro, sentir o momento e saber até que ponto você deve ir (ou não).

Nenhum comentário: